O município de Paulista (PE), localizado na região metropolitana de Recife, possui um patrimônio natural de relevância internacional. O nordeste brasileiro, quem diria, não só possui belas praias, como mantém em seu solo registros de um dos mais importantes eventos da história da Terra: o fim da era dos dinossauros.

A marca desse acontecimento foi encontrada na área de mineração da Votorantim Cimentos e estudada e conservada desde então. Com o apoio de parceiros, como os pesquisadores Gilberto Albertão e Paulo Martins, que descobriram em 1993 os registros deixados pelo impacto de um meteoro que provocou uma extinção em massa, e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que através de professores, alunos e pesquisadores do Departamento de Geologia estudam a Mina Poty desde meados do século XX, com ênfase nas questões paleontológicas. No local, já foram descobertos fósseis de espécies de crocodilo e de tartaruga que viveram na costa do nordeste brasileiro há 62 milhões de anos.

Com aproximadamente 65 mil metros quadrados, o espaço dividido em 4 exposições geológicas, foi denominado Geossítio K-Pg Mina Poty e será inaugurado para visita e estudo de universitários e pesquisadores, proporcionando a oportunidade do conhecimento sobre a rica história geológica que Paulista abriga. A abertura do geossítio também deverá fomentar e impulsionar a formação de novas parceiras para intensificar as pesquisas científicas.

O nome Geossítio K-Pg Mina Poty em referência ao Limite K-Pg, que demarca o fim do período do tempo geológico Cretáceo (K) e início do Paleógeno (Pg), causado pela queda de um meteoro no Golfo do México. O impacto, ocorrido há aproximadamente 66 milhões de anos, provocou mudanças ambientais e episódio de extinção em massa. Estima-se que de 64% a 85% de todas as espécies, nos biomas marinhos e terrestres, incluindo os dinossauros, desapareceram com a queda do meteoro.

“Com a abertura do Geossítio K-Pg Mina Poty, a Votorantim Cimentos proporcionará a pesquisadores e estudantes universitários a continuidade de atividades voltadas ao aproveitamento racional dos recursos da natureza, possibilitando escrever os próximos capítulos da história da Terra. É ainda uma oportunidade única para estreitar o relacionamento com a comunidade do município de Paulista, que serão convidados a participar, por meio de atividades educativas, da conservação deste patrimônio”, afirmou Alexandre Galliza, gerente da Unidade Poty Paulista. As solicitações de visitas deverão ser encaminhadas ao e-mail: geossítio.poty@vcimento.com.

Curiosidades – Geossítio K-Pg Mina Poty

– Em 2008, foi divulgada a descoberta, na área de mineração da Unidade Poty Paulista, um crânio completo, vértebras e osteodermos de crocodiliforme marinho, que sobreviveu à extinção K-Pg. A espécie Guarinisuchus munizi, “crocodilo guerreiro”, viveu na costa do nordeste brasileiro há cerca de 62 milhões de anos.

– Em 2016, parte da carapaça (plastrão) e outros ossos da tartaruga Inaechelys pernambucensis, “rainha do mar de Pernambuco”, foram encontrados em rochas da mineração na Unidade Poty Paulista. Essa espécie vivia em áreas próximas da costa, também há cerca de 62 milhões de anos

Clique aqui para ver os painéis